NO AR
Programa: Tarde Total
Locutor: Evandro Corbari

Com valor de mais de R$ 19 bilhões, dívida pública de SC é desafio para futuro governo do estado

Valor é quase 90% da arrecadação anual catarinense.

A dívida pública catarinense ultrapassa os R$ 19 bilhões. Esse valor representa quase 90% dos R$ 21,5 bilhões de arrecadação que o estado consegue em um ano. A administração da dívida pública, portanto, será um desafio para o próximo governo catarinense.


A primeira vez que o governo de Santa Catarina pediu dinheiro emprestado foi em 1922, para a construção da Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis. Ela era cara demais para ser feita apenas com o dinheiro dos impostos.


Desde então, pedir dinheiro emprestado virou o jeito mais usado para construir estradas e hospitais, por exemplo.
Mas, assim como o cidadão catarinense, se o governo tiver muitas dívidas, pode sobrar pouco dinheiro para aquilo que é essencial.
"Não é normal para uma família, nem para uma empresa, muito menos para um ente", disse o mestre em economia Álvaro da Luz sobre a comparação entre o valor da dívida e a arrecadação do estado.


"Se eu devo praticamente a minha receita total do ano, minha capacidade de investimento é muito baixa. Isto se não ela praticamente deixa de existir", afirmou o doutor em administração pública José Francisco Salm Júnior.
 

Credores e juros
 
Os credores de Santa Catarina são o governo federal e bancos. Atualmente, o governo do estado gasta perto de R$ 100 milhões por mês para pagar as dívidas com eles. Porém, apenas 27% desse valor vai para diminuir a dívida. O restante é para pagamento de juros.


Na opinião do mestre em economia, o próximo governo deve continuar negociando. "É você procurar alguns credores, por exemeplo o BNDES, que tem algo em torno de R$ 6,5, 7 bilhões, e procurar repactuação, alongar esta dívida", disse Álvaro da Luz.


Já o especialista em administração pública acredita que os outros poderes deveriam abrir mão de parte da fatia deles no orçamento. "Um governador com habilidade é capaz de reunir os poderes e discutir estas questões, se o estado se encontrar numa situação que não possa mais honrar seus compromissos", declarou José Francisco Salm Júnior.

De qualquer forma, os especialistas acham que nada disso vai resolver de uma vez o problema da dívida. Para eles, é preciso arrecadar mais, movimentar a economia para que mais impostos sejam pagos e sobre dinheiro para pagar parcelas maiores da dívida, mesmo com a economia em crise.


Eles sugerem atrair investimentos, buscar parcerias público-privadas com empresas que têm dinheiro para investir. "É muito claro que os investidores internacionais gostariam muito de participar do crescimento e desenvolvimento de Santa Catarina. É um estado com mão de obra qualificada", afirmou Álvaro da Luz.


Também sugerem diminuir a isenção fiscal. Atualmente, são quase R$ 6 bilhões de que o governo abre mão, sem ter nenhuma prova de que as empresas beneficiadas geram empregos ou desenvolvem a economia.


"Renúncia fiscal tem que ser reestudada porque ela não faz sentido se ela não for propulsora de uma maior arrecadação", disse José Francisco Salm Júnior.

Fonte: G1 SC

Ao Vivo

Trânsito Agora

Tempo